Os 7 Erros que podem “encurtar” a vida do seu cachorro. Quantos você está cometendo?

em

Cuidados com seu cachorro

A maioria de pais dedicados fazem tudo certinho, mas fazem “vista grossa” nos cuidados com seu cachorro, os amados filhos caninos.

A seguir os “7 Erros” que, muitas vezes, podem comprometer a qualidade e duração da vida do seu cachorro.

1. Deixar o seu Cão ficar Obeso

Estudos mostram que cachorros com sobrepeso na meia-idade não estarão por perto tanto tempo quanto aqueles com peso adequado. Aqueles que estão acima do peso podem nos deixar até 10 meses antes, e isso é mais comum nas raças: Labrador Retriever, Golden Retriever, American Coker Spaniel, Beagle e Shih Tzu.

É também uma questão de qualidade de vida, uma vez que muitos Cães sofrem com problemas de mobilidade e outras condições relacionadas com obesidade em seus “anos dourados”. Os cuidados com seu cachorro e, em especial, um cachorro obeso tem tratamento e existe dieta específica e ração própria para cães obesos.

Como há tantos cachorros com excesso de peso atualmente, é comum veterinários reportarem um grande número de animais diagnosticados com doenças derivadas da obesidade tais como artrites, displasia dos quadris, diabetes, hipertensão, problemas respiratórios e insuficiência renal. A obesidade pode até contribuir com a ocorrência de câncer em pets, devido à sua ação crônica e inflamação duradoura.

A combinação peso com articulação ou ossos é árdua para os cachorros, tornando-os praticamente sem mobilidade e estáticos. Lamentavelmente, este cenário está cada vez mais comum. Vemos cachorros espertos e saudáveis tendo que ser submetidos à eutanásia porque não conseguem mais se locomover.

 

2. Não cuidar da Higiene Bucal

O tártaro são placas dentárias (bacterianas) endurecidas após o acúmulo de alguns dias. Sabemos que o tártaro adere aos dentes e irrita as gengivas. Então, esse é um dos cuidados com seu cachorro você pode evitar!

Gengivas irritadas resultam em doenças inflamatórias, principalmente a gengivite. Cachorros com gengivite têm gengiva vermelha ao invés de rosa e, com frequência, têm mau hálito. Se o tártaro não for removido ele fica armazenado sob a gengiva e, eventualmente, levando ao afastamento dos dentes. A seguir, criam-se pequenas bolsas no tecido da gengiva retendo ainda mais bactérias na boca. Nessa fase, o seu cachorro já desenvolveu uma condição irreversível, a doença periodontal. Ela causa dores consideráveis que podem resultar em abcessos, infecções, perda de dentes e perda óssea.

No caso desta doença, a superfície da gengiva é enfraquecida. Sendo assim, pode permitir a “invasão” de bactérias pela boca à corrente sanguínea “viajando” através do seu corpo. Caso o seu sistema imunológico não elimine essas bactérias em circulação, pode atingir o coração e infectá-lo e, ainda, ao sistema imunológico.

Estudos realizados na Universidade Purdue indicam uma forte correlação entre degeneração da gengiva e endocardite (inflamação das válvulas cardíacas). Alguns tipos de bactérias encontradas na boca dos cachorros produzem proteínas viscosas que aderem às paredes arteriais. Essas bactérias bucais também são conhecidas por desenvolver a formação de coágulos de sangue que podem lesar o coração.

Para a saúde e longevidade do seu cão, é importante a proatividade em evitar o acúmulo de placas e tártaros nos dentes do seu melhor amigo.

Leia sobre escovação dos dentes dos Cães em:

>>> Escova, escova, escova: como limpar os dentes dos cães?

 

3. Não fazer os Check-ups Regulares

Os cuidados com seu cachorro devem incluir exames regulares com seu veterinário são recomendáveis – preferencialmente dois por ano (especialmente para cachorros com mais de 8 anos). Se não puder, pelo menos um check-up por ano é importante.

Lembre-se que visitas anuais ao veterinário não devem ser somente sobre vacinas. A finalidade das visitas é rever as condições de saúde do seu cachorro.

Os exames permitirão que você e seu veterinário fique ciente e em controle da saúde do seu pet, atuando de forma preventiva nos cuidados com seu cachorro.

Além disso, de forma regular, rever junto ao veterinário: a dieta, hábitos alimentares, suplementos, atividades físicas e outras necessidades para garantir a dinâmica dos cuidados de saúde.

Os cuidados com seu cachorro e as metas nutricionais mudam a cada ano e a partir dos 8 anos o cachorro requer uma atenção especial a cada quatro a seis meses, dependendo da vitalidade do seu pet.

 

4. Ignorar o atleta que existe dentro do seu Cão

Para se manter esbelto, em forma, bem condicionado, emocionalmente equilibrado e com mobilidade total à medida que envelhece, o seu cachorro precisa se exercitar diariamente.

Os caninos são, por natureza, feitos para o “movimento”! Se o seu cachorro não tem oportunidade de correr, brincar e fazer exercícios aeróbicos regularmente, mesmo que não esteja com excesso de peso, pode acabar com artrites e outras condições debilitantes que afetem seus ossos, articulações, músculos, e órgãos internos.

Muitos problemas comportamentais dos caninos acontecem pela falta de atividade física e mental.

Muitas pessoas não compreendem é que, exatamente como as pessoas, os cachorros também precisam de razões para ficarem fisicamente ativos. Mesmo aquele lindo campo ou quintal com gramado verde pode não ser motivo suficiente para entrar em forma.

A única maneira de garantir que seu cachorro se exercite o suficiente é acompanhar e incentivar que ele se mantenha ativo. O animal de estimação deve fazer exercícios aeróbicos no mínimo três vezes por semana.

Simplesmente passear com o seu cachorro não é o exercício adequado. Ele precisa de sessões de caminhadas “poderosas” – movimentando-se a um ritmo de 6 a 7 km/hr ( em torno de 1,5Km a cada 15 min) – visando queimar calorias e intensificar um boa condição cardiovascular.

LEIA TAMBÉM

>>> Como os donos podem tornar a caminhada com seu Cão mais segura e prazerosa

>>> Como parar o cão de puxar a guia durante o passeio

Exercitando o seu cachorro por uma hora por dia, você contribui significativamente para, dentro dos cuidados com seu cachorro,  sua longevidade e seu bem estar geral, de várias maneiras. Se você não conseguir acompanhar esse ritmo, experimente outros tipos de exercícios cardiovasculares como natação, jogar bola ou frisbee, brincadeiras de correr e pular, ou disputas que requerem agilidade e celeridade.

Você também pode andar de bicicleta, acompanhado do seu cão correndo preso a uma guia.

 

5. Fumar próximo ao seu cachorro

Se você é fumante, conhece os riscos não somente para sua saúde, mas também para outros ao seu redor. No entanto, o que muitas pessoas não sabem é o risco que o tabagismo representa para os pets. Fumar perto do seu cachorro faz mal para a saúde dele.

As pesquisas mostram que a fumaça exalada pelo fumante passivo assim como os resíduos da fumaça se mantém em móveis, cortinas, tapetes, luminárias de tecido, tecidos, pelo de animal, e outras superfícies, são perigosos para os animais. Estudos concluíram que cachorros vivendo em casa com fumantes têm maior probabilidade de sofrer de doenças respiratórias como asma, bronquite e também câncer de pulmão.

É importante, nos conceito de cuidado com seu cachorro, notar que não é só a contaminação do ar. Partículas de fumo aderem a quase tudo dentro da casa, inclusive o tapete ou a cama que o seu cachorro dorme ou ainda o seu cobertor. Vale considerar fumar fora de casa se você é um fumante.

 

6. Não treinar o seu Cão para ser um bom “Cidadão Canino”

Infelizmente, os abrigos para animais estão cheios de cachorros que não tiveram um bom começo de vida. Pode ser difícil se manter próximo a um cachorro imprevisível ou incontrolável que representa perigo a outros animais ou pessoas. Uma das coisas mais importantes dentro do cuidado com seu cachorro que um dono pode prover é treinamento – comportamento de reforço positivo. O objetivo do reforço positivo é encorajar o “mais disso” (comportamento desejado).

Para alcançar esse objetivo, você tem que ensinar ao seu cachorro o que fazer ao invés de focar no que está fazendo errado. Use sessões de treinamento para que seu Cão conheça quais comportamentos merecem ter sua atenção e dê aquele petisco especial.

Se parece frustrante resolver um problema de comportamento, considere o apoio de um adestrador profissional, mas sempre é recomendado treinamentos baseados em reforços positivos.

 

7. Ignorar a importância da Socialização

Socialização significa expor o seu cachorro (preferencialmente, desde filhote) a muitas pessoas, animais, ambientes e outros estímulos ao máximo possível. Os cuidados com seu cachorro requerem socialização: engajar todos os sentidos do seu cachorro expondo-o à visão, sons e cheiros da vida cotidiana.

Essa exposição ajudará a desenvolver uma disposição de aceitar situações diversas e a lidar com novas experiências e desafios com um comportamento apropriado. Cachorros que não foram adequadamente socializados, frequentemente desenvolvem uma ansiedade ou medo profundo que fica enraizado. Essa condição pode resultar em problemas comportamentais.

Ficou com dúvidas?  Pergunte ao Dr. Max que nossos Veterinários terão prazer em esclarecê-las.

Pergunte ao Dr. Max

Enviar Mensagem

Fonte Healthypets