5 Erros que as pessoas cometem quando alimentam seus Pets com uma dieta de alimentos crus

em

Pergunte ao Dr. Max. Serviço cortesia do Fareja Pet para permitir aos seus usuários fazerem perguntas e receberem conselhos e dicas de Veterinários experientes.

Pergunte ao Dr. Max

Faça sua Pergunta

As dietas de alimentos crus devem ser a forma mais antiga de alimentar os Pets. Afinal, elas estão muito próximas do que os que cães da antiguidade costumavam comer. À medida que mais pessoas se tornam conscientes dos benefícios das dietas de alimentos crus para os seres humanos, mais donos de animais estão mudando a alimentação dos seus cães para dietas cruas, assim como por outras várias razões.

“Como os donos de animais de estimação pesquisam o que faz bem para a sua própria saúde, eles consideram que uma boa comida se aplica a toda a família, incluindo a família de quatro patas”, explica a Dra. Cathy Alinovi ,  famosa veterinária holística.

De fato, muitos proprietários de cães mudam para uma dieta crua porque seus cães têm problemas de saúde.

Mudar para uma dieta crua, no entanto, nem sempre é tão simples. A seguir estão cinco erros comuns que muitas vezes as pessoas cometem quando mudam seus cães para uma dieta crua.

Erro # 1: Não compreender os princípios básicos da nutrição

Cachorro comendo carne moída

Em poucas palavras, uma dieta crua consiste de refeições não cozidas. Na realidade, porém, é um pouco mais complicado do que isso.

Alguns donos de Pets acham que colocar um hambúrguer cru na tigela é aderir a uma dieta crua. Este tipo de alimentação, no entanto, não fornece nutrição completa e pode levar a problemas de saúde mais tarde.

Idealmente, uma dieta crua consiste de carne crua mais a adição de aditivos.

“Os aditivos variam de osso para, miúdos (de boi, porco ou frango), músculo, vegetais e suplementos”, diz Alinovi. Além disso, dietas cruas também podem incluir alguns grãos cozidos ou legumes. E muitas pessoas combinam produtos liofilizados (misturas a base de vegetais, vitaminas e minerais) com carnes cruas.

O único problema com dietas cruas, de acordo com Alinovi, é que não existem normas estabelecidas que tratem das vitaminas e minerais para elas.

O que exatamente isso significa para donos de animais de estimação? Isso significa que os proprietários que estão interessados em dietas cruas devem falar com um profissional, em vez de apenas alimentar seus cães com carne crua.

Você pode fazer perguntas ao Veterinário do Fareja Pet clicando aqui.  O Dr. Max responderá às suas perguntas e ainda te dará conselhos e dicas.  É um serviço gratuito para os leitores do Fareja Pet.

“A diferença não é tanto na forma como um nutricionista e um proprietário definir cru, a diferença é mais no que é considerado equilibrado”, diz Alinovi. Por exemplo, alguns cães perdem muito peso em dietas de alimentos crus e pode precisar da ajuda de um nutricionista para descobrir o que adicionar à mistura (como grãos cozidos ou gordura adicional) para resolver o problema.

Próximo: Comida crua é mais do que carne

Erro # 2: Pensar que em uma dieta crua é só carne crua

Cachorro comendo osso Cachorro comendo osso

As dietas cruas contêm uma grande quantidade de carne, mas na maioria das vezes, são complementadas por outros ingredientes. Os complementos podem ser carne de músculo, miúdos, ossos, ovos, vegetais e criaturas marinhas (mexilhões cozidos ou ostras) em uma dieta crua.

É preciso ter variedade para cobrir todas as vitaminas e minerais que são necessários e para obter o equilíbrio adequado de ômega 3: 6.

Mesmo as dietas cruas industrializadas disponíveis no mercado contêm “acréscimos”. O exemplo mais famoso é BARF (alimento crônico biologicamente ativo), uma dieta pioneira pelo Dr. Ian Billinghurst.  De acordo com Alinovi, a porção de comida crua baseada em BARF é 50% carne crua, com uma variedade de adições que compõem os outros 50% dos ingredientes.

“Estas adições podem incluir ovos (crus), queijo, alga marinha, fígado, legumes (picados, crus), óleo de fígado de bacalhau e sal”, diz Alinovi. “Obviamente, o queijo na dieta BARF é processado.”

Outras variações de uma dieta crua podem incluir legumes cozidos.

“Os vegetais são mais difíceis de digerir para os cães do que para os seres humanos”, diz Alinovi. “Portanto, os vegetais devem ser picados, espremidos, ou cozidos para ajudar a digestão.”

Leia também:
>>> 10 Legumes e verduras que contribuem para a saúde do seu Pet

Próximo: Importância das frutas

Erro # 3: Esquecer as frutas

Cachorro comendo melancia

A fruta pode ser uma ótima adição a uma dieta crua por diversas razões. Alinovi usa grandes pedaços de maçã ou melancia para melhorar a mastigação. “A fruta fornece fibra, vitaminas, sabor e variedade”, diz Alinovi.

Frutas podem ser adicionadas a toda dieta crua (após a remoção das sementes), em cubos, tatidas, cozidas ou qualquer outro método de preparação.

Leia também:
>>> 20 Frutas e Vegetais saudáveis que o seu cachorro vai amar

“Como os vegetais, é melhor manter menos de 30% de frutas quando a principal nutrição de um cão vem da carne”, diz Alinovi. “Não alimente com uvas ou passas, pois podem causar danos nos rins, e evite frutas enlatadas com açúcar”.

Próximo: Você precisa de suplementos?

Erro # 4: ignorando a necessidade potencial de suplementos

Farinha de Casa de ovo para cachorro suplemento calcio

 

Embora nem todos os cães que se alimentam de dietas de alimentos crus vão precisar de suplementos, alguns vão.

“O cálcio é provavelmente o nutriente mais importante para se ter certeza de que há o suficiente em uma dieta crua”, de acordo com Alinovi.

Felizmente, o cálcio é muito fácil de adicionar à dieta.

“Para aqueles que compram dietas cruas industrialmente preparadas, o cálcio já está equilibrado”, diz Alinovi. “Para aqueles que preparam alimentos crus em casa, farinha de casca de ovo ou casca de ostra pode fornecer o aumento dietético em cálcio que é necessário além do que é fornecido no osso”.

Os cães em dietas cruas também podem se beneficiar de uma boa fonte de ácidos graxos ômega-3, como óleo de peixe ou óleo de semente de linho. “Ambos os óleos são conhecidos por seus benefícios anti-inflamatórios”, diz Alinovi.

A maioria dos outros suplementos são baseados na preferência do proprietário e as necessidades individuais do cão.

Próximo: Preocupação com a Segurança

Erro # 5: Ficar assustado com questões de segurança

Os órgãos de segurança alimentar advertem sobre os potenciais riscos de alimentação e manipulação de carnes cruas, como eles podem ser contaminadas com Salmonella, Listeria e E. coli.

“A preocupação não é só que os animais adoeçam ingerindo alimentos contaminados, mas, mais importante ainda, os seres humanos poderão ficar doentes com o manuseio dos alimentos”, diz Alinovi.

No entanto, esses perigos podem ser exagerados.

“Com boas práticas de manuseio, dietas de alimentos crus não oferecem mais perigo do que a manipulação de carne de hambúrguer cru antes de cozinhá-lo na grelha”, diz Alinovi. “Boa higiene, lavagem frequente das mãos e uso de alimentos em um período de tempo razoável impedem a doença dos humanos (e do cão).”

Ainda preocupado? Comprar carne de uma fonte respeitável e usar a carne descongelada dentro de três dias manterá níveis bacterianos baixos, de acordo com Alinovi.

“Níveis mínimos de bactérias não apresentam problemas de saúde para a maioria dos cães”, diz Alinovi. No entanto, acrescenta, “para o proprietário de um cão com um sistema imunológico comprometido, a alimentação crua pode ser inapropriada”.

Uma coisa a ter em mente: Alguns cães desenvolvem problemas gastrointestinais – incluindo diarréia – quando mudam para uma dieta crua. Isto é especialmente verdade para cães com um trato intestinal sensível, embora o problema não seja geralmente permanente.

“Em alguns casos, o dono precisará adicionar um novo ingrediente de cada vez à dieta até que o cão possa lidar com uma refeição completa de alimentos crus”, diz Alinovi. “Em outros casos, adicionando enzimas digestivas ou ligeiramente cozinhando o alimento por alguns dias ajudará cães sensíveis na transição para o novo alimento.”

Pergunte ao Dr. Max

Fazer Pergunta ao Dr. Max

Fonte: Petmed